Visita ao Museu da Inconfidência em Ouro Preto

Ei viajante, tudo bem?! Quando a gente viaja é bem difícil escolher os museus/igrejas/monumentos que vai visitar, certo? Em Ouro Preto essa tarefa é ainda mais difiícil, pois a cidade é cheia de atrações legais. No post de hoje vou contar tudo que você precisa saber para visitar o MUSEU DA INCONFIDÊNCIA em Ouro Preto!

O Museu é um dos cartões postais da cidade. Mas, antes de falar sobre ele, preciso dizer que Ouro Preto é uma das minhas cidades favoritas no mundo! Para visitar a cidade aconselho separar 3 dias, pelo menos. Tem muitas coisas pra fazer aqui e nos arredores, você não vai ficar entediado, garanto!

Museu da Inconfidência em Ouro Preto
Museu da Inconfidência em Ouro Preto

# Museu da Inconfidência em Ouro Preto – Localização

O Museu fica situado no coração do centro histórico, bem ali na Praça Tiradentes. É impossível passar por ele e não notá-lo rs

# Horário de funcionamento e ingressos

De terça a domingo das 10h às 18h, sendo que a venda de ingressos e entrada ocorre até às 17h. NÃO abre segunda-feira.

O ingresso custa R$10 (inteira) ou R$5 (meia). Crianças até 7 anos de idade não pagam.

Museu da Inconfidência em Ouro Preto
Museu da Inconfidência em Ouro Preto

# Exposição – Primeiro andar

Na primeira parte da visita você verá como era a infra estrutura da cidade das origens até o período imperial. É beeem legal essa parte! Já, a segunda parte é mais voltada para o viés artístico, mostrando os oratórios, obras de Aleijadinho, pinturas, etc.

Vou contar para vocês sobre as salas que mais gostei! As duas primeiras salas achei meio chatinhas, confesso.

A terceira sala falava sobre transporte e aí comecei a curtir a visita. Antigamente, a Coroa tentava vigiar as rotas de trânsito de comércio e passageiros por meio da cobrança de tributos e controle de entrada na Capitania.

Sala "Império".
Sala “Império” | Museu da Inconfidência em Ouro Preto

Como restou frustrada a experiência de usar a mão de obra indígena, eles adotaram a mão de obra dos escravos, que se mostraram muito importantes para a formação da cultura do Brasil.

Uma peça que me chamou bastante a atenção, que fica na sala “mineração”, foi “o tronco”, que na época colonial ficava nas casas de purgar dos engenhos. São instrumentos de contenção, captura e aviltamento. Serve para nos lembrar como era dura a realidade dos escravos e nos mostrar quão valiosa é nossa liberdade.

Checklist: O que levar na bagagem de viagem

Para não esquecer de levar os itens essenciais em sua viagem, baixe gratuitamente o Checklist: O que levar na bagagem de viagem

Tronco, na sala da Mineração
Tronco, na sala da Mineração | Museu da Inconfidência em Ouro Preto

Foi no final do século XVII que começou a extração do ouro, ela cresceu continuamente durante anos até que começou a decair e criou uma crise econômica que comprometeu as relações da Colônia com a Metrópole. Isso aconteceu devido ao quinto, um imposto que não estava rendendo o tanto que Portugal desejava, havia rumores de que ocorria evasão do produto das minas. Assim, Portugal aumentou a eficácia das leis de controle e apresentou o projeto de instituir a derrama (outro imposto). Muitos apontam esta como uma das causas da Incondifência Mineira.

A Incofidência Mineira aconteceu em 1789, momento em que o mundo vivia o Iluminismo. Os participantes do movimento almejavam um país independente, liberto da dominação portuguesa.

Dizeres da bandeira de Minas Gerais.
Dizeres da bandeira de Minas Gerais.

O movimento porém foi desmantelado após a traição de Joaquim Silvério dos Reis. Os líderes do movimento foram mandados para o Rio de Janeiro, exceto Cláudio Manuel que morreu na prisão. Durante o julgamento todos negaram participação, menos Tiradentes, que assumiu a chefia do movimento. Doze inconfidentes foram condenados, porém somente o alferes foi enforcado.

Peças da forca que serviu para o suplício de Tiradentes.
Peças da forca que serviu para o suplício de Tiradentes.

Anos após, com a declaração da Independência, Ouro Preto foi elevada à categoria de Imperial Cidade, se tornando centro administrativo/político/cultural de Minas Gerais.

# Segundo andar

Agora, começarei a falar da segunda parte da visita, que se dá no segundo andar do Museu. São 8 salas que nos mostram os oratórios, mobiliário, pintura, escultura etc da época.

Retábulo que apresenta elementos de transição do Barroco para o Rococó.
Retábulo que apresenta elementos de transição do Barroco para o Rococó.

Antônio Fransciso Lisboa, mais conhecido como Aleijadinho, possui uma sala no Museu. A obra máxima da carreira do artista é o Santuário Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas do Campo/MG, que possui 76 peças, sendo os 12 profetas e os figurantes dos Passos da Paixão. Na sala é possível ver uma réplica da estátua do profeta Daniel.

Réplica de um dos profetas de Aleijadinho
Réplica de um dos profetas de Aleijadinho

Ahhh, aconselho separar de 60 a 90 minutos para a visita.

# Outras informações

Não é permitido fazer fotos usando câmera fotográfica, apenas celular.

Possui acesso especial, elevador e banheiro adaptado para cadeirantes.

Existe guarda-volumes no local. Objetos como bolsas e mochilas devem ser guardados lá.

As informações sobre os objetos expostos estão escritas em português e inglês.

Site: http://www.museudainconfidencia.gov.br/pt_BR

Peça exposta no segundo andar do Museu
Peça exposta no segundo andar do Museu

Aqui  no Blog oferecemos um serviço de CONSULTORIA DE VIAGENS, no qual planejamos tudo pra você. Isso mesmo, nós fazemos aquela parte chata da pesquisa de acomodação, roteiro dia a dia, melhores formas de deslocamento entre as cidades, etc. Dá uma olhada na nossa tabela de valores ou manda um mensagem pra saber mais detalhes! 🌏

E aí, curtiu o Museu da Inconfidência em Ouro Preto? Se tiver alguma dúvida ou sugestão, deixa um comentário aqui embaixo! Em breve vou compartilhar aqui no Blog um post sobre “Quanto custa viajar para Ouro Preto”. Para não perder nenhum post nosso basta preencher seu nome e email naquela caixa ali em cima no canto direito 😉

Beijos e até a próxima!

Nasci e cresci no interior de Minas Gerais, sou advogada de formação e consultora de viagens de profissão. Tenho 32 anos e desde sempre sonho em viajar o mundo. Já visitei 32 países (alguns mais de uma vez), tendo morado em 4 deles. Em 2016 criei o blog Partiu Viajar para ajudar e inspirar mais pessoas a viajar.

RELACIONADOS