A triste história do Museu da Loucura em Barbacena – MG

Ei pessoal! Antigamente existiam dezenas de manicômios no Brasil. Barbacena, uma cidade do interior de Minas Gerais, é conhecida como a “Cidade dos Loucos”, justamente por abrigar alguns desses manicômios, dentre eles o Hospital Colônia, que ficou marcado por tornar-se um campo de extermínio de pessoas que não se encaixam nos padrões de vida da época. No post de hoje vou contar como foi visitar o Museu da Loucura em Barbacena, um lugar que retrata o drama de quem viveu nos manicômios antigamente.

Vista do Museu da Loucura em Barbacena
Vista do Museu da Loucura em Barbacena – Foto: Saudemg

Primeiramente, queria contar para você que eu sou de Barbacena (nascida e criada). Sempre escutei histórias horríveis sobre esse assunto. Quando cursava Direito, fiz uma visita técnica ao Manicômio Judiciário da cidade, isso uns 8 anos atrás, imagina como era há 70 anos… sem palavras para descrever como a visita me deixou pesada, uma sensação/sentimento muito ruim.

Uma das várias fotos expostas no Museu da Loucura em Barbacena
Uma das várias fotos expostas no Museu da Loucura em Barbacena

Você sabia que… 12% da população necessita de algum tratamento eventual ou contínuo da saúde mental?! 6% da população tem transtornos psiquiátricos graves devido ao álcool e outras drogas?!

Vamos falar do Museu então?!

# O Museu da Loucura em Barbacena

É uma atração para toda a comunidade. Isto porque além de mostrar a história do antigo Hospital Colônia, através da exibição de equipamentos, acervo do hospital e ainda documentação de dados coletados e pesquisados em todo o Estado, enfoca a atual abordagem do tratamento psiquiátrico que vem sendo desenvolvida junto aos pacientes, proporcionando abertura para a comunidade aceitar melhor o portador de sofrimento psíquico.

Foi minha segunda visita ao museu, mas dessa vez fui com um olhar mais crítico, pois a primeira foi quando eu ainda era adolescente e não tinha muita noção dos horrores que os pacientes sofreram.

O museu é pequeno, são duas salas no primeiro andar e 4 no segundo andar. Você pode separar 1 hora para realizar a visita.

Museu da Loucura em Barbacena
Museu da Loucura em Barbacena

# Localização do Museu da Loucura em Barbacena

O museu fica localizado na Avenida Quatorze de Agosto, s/n , bairro Floresta, em Barbacena, Minas Gerais.

Barbacena é uma cidade pacata e muito aconchegante, que faz parte do caminho Novo da Estrada Real. Se você estiver indo de Belo Horizonte para o Rio de Janeiro (ou vice versa) ela fica quase no meio do caminho.

# Horário de funcionamento e ingresso

O Museu da Loucura funciona de segunda a segunda, das 08h às 18h.

Checklist: O que levar na bagagem de viagem

Para não esquecer de levar os itens essenciais em sua viagem, baixe gratuitamente o Checklist: O que levar na bagagem de viagem

Não é necessário comprar ingresso. A entrada é gratuita.

# A história

Em tese, um hospício servia para manter trancados indivíduos que sofriam de doenças mentais. Na prática, hoje sabemos que não era isso que acontecia.

Para você ter noção da barbárie, o Hospital Colônia foi o maior hospício do Brasil. Lá morreram mais ou menos 60 mil pessoas, sendo que a maioria delas não tinha sequer diagnóstico de doença mental.

Primeira sala a ser visitada
Primeira sala a ser visitada

Não havia critério para ser mandado para lá. O manicômio “abrigava” homens, mulheres e crianças. Havia mulheres casadas cujos maridos queriam se ver livres delas, homossexuais, meninas grávidas, alcoólatras, etc.

A psiquiatria, isso a nível mundial, usava formas de tratamento como: choque elétricos, lobotomia, camisas de força, drogas, etc.

Muitas pessoas chegavam lá sem distúrbios psiquiátricos, mas mesmo assim eram submetidos à esse tipo de tratamento.

Museu da Loucura em Barbacena.
Museu da Loucura em Barbacena.

No segundo andar do Museu tem uma sala que fala sobre a lobotomia (que é uma forma de neurocirurgia) e sobre a técnica do “picador de gelo”, que era mais rápida e barata que a lobotomia. Fiquei chocada com as duas.

Já no primeiro andar, estão expostos alguns instrumentos usados nos tratamentos de choque. Apesar de muitos acharem ser um recurso terapêutico válido, muitas vezes era usado por pessoas desqualificadas e, até mesmo, como forma de punição.

Equipamento utilizado na eletroconvulsoterapia.
Equipamento utilizado na eletroconvulsoterapia.

Por causa da superlotação, foi instituído o “leito único”, onde as camas foram retiradas das celas e os pacientes dormiam no chão. Há relatos de que pacientes do Colônia dormiam em pilhas de capim e que muitos morreram devido ao frio da cidade.

O hospital dizia que os pacientes comiam carne, ovo, arroz e feijão…mas há vários relatos de pacientes que viviam subnutridos, que comiam bichos, que tomavam água do esgoto ou urina e que muitos morreram de fome.

Museu da Loucura. em Barbacena
Museu da Loucura. em Barbacena

Outro fato chocante (que virou rotina) era a venda de cadáveres de pacientes para as faculdades de medicina. Em 8 anos e meio foram vendidos mais ou menos 1850 corpos.

# Cronologia

Apenas em 1961, o Governo abriu as portas do Hospital Colônia e deixou um membro da imprensa fotografar o local. Ele se deparou com homens e mulheres nus, descabelados, sujos e apinhados. Viviam em condição desumana, degradante.

Em 1979, a imprensa divulga amplamente os horrores que aconteciam no Colônia. Chamavam o local de “sucursal do inferno”, o Jornal Estado de Minas mostrou “os porões da loucura”, o psiquiatra italiano Franco Basaglia comparou o hospital com os campos de concentração nazistas.

Ainda em 1979 aconteceu em Belo Horizonte, o III Congresso Mineiro de Psiquiatria, com o objetivo de deflagrar um processo político de mudanças na área da Psiquiatria em Minas Gerais. Porém, somente em 1990, o Colônia desativou sua última cela.

Notícias a respeito do Hospital Colônia
Notícias a respeito do Hospital Colônia
Notícias a respeito do Hospital Colônia
Notícias a respeito do Hospital Colônia

No ano de 1996 foi criado o Museu da Loucura em Barbacena.

Em 2001, saiu a Lei 10.216, lei da Reforma Psiquiátrica, que estatui em seu artigo 1º: “Os direitos e a proteção das pessoas acometidas de transtorno mental, de que trata esta Lei, são assegurados sem qualquer forma de discriminação quanto à raça, cor, sexo, orientação sexual, religião, opção política, nacionalidade, idade, família, recursos econômicos e ao grau de gravidade ou tempo de evolução de seu transtorno, ou qualquer outra.”

# Outras informações úteis

  • O Museu da Loucura possui estacionamento.
  • É ponto de carimbo do Passaporte da Estarda Real.
  • Possui tour guiado. Para agendar basta mandar um email para: chpb.museu@fhemig.mg.gov.br
Museu da Loucura em Barbacena
Museu da Loucura em Barbacena

Por hoje é isso. Se você for a Barbacena ou passar pela cidade, recomendo a visita ao Museu. Ela é pesada? Um pouco, mas dá um choque de realidade necessário e nos deixa informados sobre os absurdos que aconteceram no passado. Que sirva de lição para nunca mais ocorrer algo parecido.

Beijos e até!

Nasci e cresci no interior de Minas Gerais, sou advogada de formação e consultora de viagens de profissão. Tenho 32 anos e desde sempre sonho em viajar o mundo. Já visitei 32 países (alguns mais de uma vez), tendo morado em 4 deles. Em 2016 criei o blog Partiu Viajar para ajudar e inspirar mais pessoas a viajar.

RELACIONADOS